Professores qualificados com mestrado e doutorado são penalizados.

Discussão em 'Vale Tudo' iniciada por Pedro o Escamoso, 2 Janeiro 2013.


  1. Pedro o Escamoso Ser evoluído

    Número de Mensagens:
    95
    Pontos de Troféu:
    28
    Imagine a situação absurda: professores qualificados com mestrado e doutorado são penalizados exatamente porque estudam.

    Infelizmente é isso o que ocorre quando a educação e a pesquisa são tratadas como mera mercadoria e alunos como clientes.

    "As demissões de professores da Anhanguera e o tratamento dado pela IES aos profissionais e estudantes foram denunciadas, em 08/02, na Assembleia Legislativa de São Paulo. Em dezembro, o grupo Anhanguera demitiu quase 1.600 professores, muitos deles por terem título de mestre ou doutor."


    http://www.posgraduando.com/pos-gra...ao-em-massa-de-professores-mestres-e-doutores

    E infelizmente isso não vem ocorrendo apenas com essa instituição.

    Algumas faculdades demitem os mestres e doutores exatamente por eles serem mais caros dos que não possuem titulação (muitos professores tem apenas especialização), e contratam professores novos pelo piso do salário.

    Nada contra professores que tem apenas especialização, porém cursos de mestrado não só ensinam a "dar aula" como formam pesquisadores.

    Pode parecer clichê mais em qualquer país desenvolvido, quando perguntam qual a profissão mai importante dentro de uma sociedade, quase todos respondem que é o professor, e na maioria dos países com maior IDH, um professor universitário tem legislação específica para exercer sua profissão (não pode ser demitido sumariamente), exatamente porque ele não só leciona mais promove a pesquisa ciêntifica que é o que desenvolve a sociedade.
    Por isso o absurdo, nesse país o cara qualificado é penalizado exatamente porque estuda.
    Por essas e outras cada vez mais não consigo acreditar no futuro do Brasil, e nessa baboseira que ficam mostrando na televisão.
    Tetas o que acham disso ?
    Lost Brother e moskandre curtiram isto.
  2. fernandy Bam-bam-bam

    Número de Mensagens:
    5,892
    Pontos de Troféu:
    364
    acho que quem escreveu o texto nao sabe a diferenca de mais e mas
    Nickotine, Nova e Caronte aprovam isto.
  3. firulero Ei mãe, 500 pontos!

    Número de Mensagens:
    29,320
    Pontos de Troféu:
    667
    Quem escreveu o texto com certeza não tem mestrado/doutorado

    Sent from my Xperia S
  4. Jeovas Bam-bam-bam

    Número de Mensagens:
    7,936
    Pontos de Troféu:
    424
    O que acontece quando a educação vira mercadoria
    A Anhanguera Educacional tornou-se uma empresa S.A., com ações na bolsa de valores e uma agressiva política de compra de outras instituições. Depois de gastar R$ 800 milhões com a compra de 12 redes de ensino, o grupo tornou-se a maior rede de ensino do país. Só no ABC a Anhanguera já adquiriu a Faenac, em São Caetano, a Anchieta e a Uniban, em São Bernardo, a UniA e a UniABC, em Santo André.

    Com a aquisição de tantas faculdades, era de se esperar que houvesse mudanças no quadro de professores, promovendo assim um alinhamento com as diretrizes do grupo. No entanto, o que acabou acontecendo foi muito mais que isso.

    As demissões em massa
    Segundo dados da Federação dos Professores de São Paulo (Fepesp), o Grupo Anhanguera demitiu apenas no Estado de São Paulo 1.497 professores. E esse número deve ser ainda maior, uma vez que há relatos de demissão em outros estados, como Rio Grande do Sul, Goiás e Mato Grosso do Sul.

    Especula-se que a Anhanguera deseja reformular seu quadro com professores de titulação mais baixa. Segundo professores da Anhanguera, a instituição paga a um mestre o valor de R$ 38,00 por hora-aula e, agora, deverá pagar R$ 26,00 aos novos contratados.

    O outro lado
    Por nota, a Anhanguera Educacional afirma que “A Anhanguera realizou um grande ciclo de aquisições em 2011, com 12 instituições adquiridas, e que a atualização do corpo docente é necessária para adaptar os currículos das novas unidades ao padrão de qualidade dos cursos da Anhanguera. Neste ajuste, a instituição reduzirá o numero de professores temporários, mas também fará contratações de outros em regime integral”, diz a nota.

    Verdade seja dita
    A incoerência da nota publicada pelo grupo Anhanguera encontra-se no fato de que foram realizadas demissões radicais em praticamente todas as faculdades do grupo, ou seja, não foram apenas as 12 instituições adquiridas em 2011 que tiveram baixas em seu quadro docente.

    Outro aspecto curioso é que 2011 foi ano de avaliação institucional das faculdades do grupo pelo MEC, e os avaliadores do governo encontraram um quadro de professores mestres e doutores que não se encontram mais nas faculdades. A grande sacada aí é que legalmente, as universidades precisam ter ao menos 1/3 de professores com mestrado ou doutorado. Mas há o entendimento de que a porcentagem diz respeito ao número de docentes, não à quantidade de aulas dadas.

    E eu com isso?
    Imagine a situação absurda: professores qualificam-se com titulação de mestres e doutores e são penalizados exatamente porque estudam.

    Sem mencionar que as oportunidades de emprego para mestres e doutores vão acabar se reduzido às instituições públicas, principalmente em regiões como a Grande São Paulo, onde o grupo comprou grande parte das instituições.

    “Só dava aula naquela instituição. Sei que na região minhas opções diminuíram, pois não vou procurar nas que integram o grupo. Além disso, a qualidade do ensino fica prejudicada, uma vez que preferem contratar profissionais com menos experiência e estudo”, lamenta o professor em entrevista ao jornal Folha de São Paulo.

    Para finalizar, a pergunta que não quer calar: “Por que será que o MEC não toma uma atitude a respeito deste sucateamento do ensino privado superior no país?”.


    ___________________________________________________________________________________



    Tem nem o que falar, né?

    Só acho que do ponto de vista da faculdade, isso é uma burrice tremenda. Puta marketing negativo.

    Propaganda: "O grupo anhanguera mimimmi ensino, extensão, emprego mmimimimimi, qualidade de ensino. estude conosco!!!!1!". Ai vai lá e demite uma porrada de professor mestre/doutor, hahahahaha.

    Apesar também que, me desculpe quem estuda/estudou nas anhangueras da vida, mas acho que muitos dos alunos que tão lá não ligam muito pra isso.
  5. Tulius18 Bam-bam-bam

    Número de Mensagens:
    8,393
    Pontos de Troféu:
    399
    Prevejo isso acontecer em todas as áreas.

    Aqui mesmo onde eu trabalho já aconteceu do chefe ficar nervosinho com uns funcionários da produção e ameaçar dizendo que qualquer coisa ele "manda embora" pois tem muito mané ai que se pagar metade do que ele paga aceita o serviço.

    Já vi muita gente desqualificada tirar o emprego de gente mais qualificada, justamente por aceitar trabalhar mais e receber menos.
    fred_mamute e Pedro o Escamoso curtiram isto.
  6. antonioli Ei mãe, 500 pontos!

    Número de Mensagens:
    51,489
    Pontos de Troféu:
    949
    Nunca ouvi sequer falar de alguém entrando na Universidade sem, no mínimo, mestrado na área do ensino/educação. Nem com mestrado, na verdade, eu lembro. Os concursos para tal são muito fechadinhos e é fácil descobrir quem são os candidatos.
  7. Pedro o Escamoso Ser evoluído

    Número de Mensagens:
    95
    Pontos de Troféu:
    28
    Para universidades públicas realmente é necessário no mínimo o mestrado, porém para as particulares é necessário apenas uma pós normal para dar aula.
    Nada contra quem só tem a pós, porém demitir uma pessoa exatamente porque ela se qualificou o máximo possível para exercer uma determina função é no mínimo ridiculo.
    O grande fato é que eles fazem isso porque a hora-aula de um professor com especialização é menor., só que o cara não tem uma formação voltada a pesquisa.
  8. antonioli Ei mãe, 500 pontos!

    Número de Mensagens:
    51,489
    Pontos de Troféu:
    949
    Sem dúvidas, mas na verdade só não abaixam os salários porque não podem. Não é a toa que estão rolando até greves em universidades particulares. A coisa está esquisita. Fora que muitos lugares não têm interesse em pesquisa e extensão mesmo.
    Seeker2611 e Pedro o Escamoso curtiram isto.
  9. LORD_RIDDL Bam-bam-bam

    Número de Mensagens:
    4,096
    Pontos de Troféu:
    269
  10. JeanJacquesRosseau Bam-bam-bam

    Número de Mensagens:
    15,215
    Pontos de Troféu:
    454
    Fica imaginando os engenheiros sendo formados por essa instituição.


    Palace II feelings.
    Lost Brother e Caronte curtiram isto.
  11. Gutoos Ei mãe, 500 pontos!

    Número de Mensagens:
    20,023
    Pontos de Troféu:
    549
    É particular a faculdade?

    Livre concorrência então. Só procurar outra.

    O MEC não faz nada pq, pelo q sei, não existe obrigatoriedade de q professores de universidade privada tenha mestrado/doutorado.
  12. Vraian Bam-bam-bam

    Número de Mensagens:
    8,379
    Pontos de Troféu:
    334
    Tem universidades que contratam apenas com o mestrado, mas geralmente a pessoa já tá preparando um doutorado. No laboratório da minha namorada tinha uma doutoranda (obteve o título agora em dezembro) e já era professora em uma universidade pública na região Sul (vou ficar devendo o nome). Marido da minha coorientadora virou professor em um Instituto Federal (aulas para nível superior também) quando ainda não tinha defendido o doutorado.
    Em SP eu nunca vi concurso no qual o mínimo não fosse doutorado.

    Universidade particular geralmente não faz pesquisa, dá pra contar na mão as que fazem. E nessas vocês dificilmente vai ouvir esse tipo de coisa acontecendo. Uma Anhanguera dessas é só uma tremenda enganação, na minha opinião. Um diploma desse lugar e nada...
    E o problema de qualificação a mais do que o necessário infelizmente não está apenas nas universidades =/
    Seeker2611 e Pedro o Escamoso curtiram isto.
  13. Resu Anera Bam-bam-bam

    Número de Mensagens:
    6,276
    Pontos de Troféu:
    454
    Imagino o que o pessoal do ABC paulista acha dessa linda livre concorrência.
  14. Novalgina Bam-bam-bam

    Número de Mensagens:
    16,561
    Pontos de Troféu:
    484
    A Anhanguera é a Casas Bahia das Universidades.

    Não é a toa que ela é uma das que mais oferece vagas no ProUni, entre outros programas.
  15. Jeovas Bam-bam-bam

    Número de Mensagens:
    7,936
    Pontos de Troféu:
    424
    "Outro aspecto curioso é que 2011 foi ano de avaliação institucional das faculdades do grupo pelo MEC, e os avaliadores do governo encontraram um quadro de professores mestres e doutores que não se encontram mais nas faculdades. A grande sacada aí é que legalmente, as universidades precisam ter ao menos 1/3 de professores com mestrado ou doutorado. Mas há o entendimento de que a porcentagem diz respeito ao número de docentes, não à quantidade de aulas dadas."

    UFABC =D
    Tunin aprova isto.
  16. lucky_ace Bam-bam-bam

    Número de Mensagens:
    9,196
    Pontos de Troféu:
    409
    O ensino privado está deixando de ser ensino. Aos poucos estamos caminhando para o ponto crítico no qual não haverá mais alternativa: Na escola pública o sistema impede os educadores de fazer seu trabalho, nas particulares o interesse cada vez menor pelo aprendizado e cada vez maior pelo "diploma" vai levar os educadores à mesma situação. Quando chegarmos nesse ponto a reforma virá. Anotem e cobrem.
    rangervermelho00 aprova isto.
  17. konde10 Bam-bam-bam

    Número de Mensagens:
    8,964
    Pontos de Troféu:
    479
    Sinceramente, quem faz uma faculdade dessas não está ligando muito se os professores tem doutorado e mestrado, ou se fazem ou não pesquisas.
    phcbispo e Tunin curtiram isto.
  18. LHand Bam-bam-bam

    Número de Mensagens:
    9,056
    Pontos de Troféu:
    424
    Não dava pra esperar nada muito melhor da Faculdade desse cara, né?
    [IMG]
  19. Tunin Bam-bam-bam

    Número de Mensagens:
    5,062
    Pontos de Troféu:
    339
    Tem alguem da UFABC aqui no fórum? :kpensa
  20. Guicicca90 Bam-bam-bam

    Número de Mensagens:
    8,689
    Pontos de Troféu:
    414
    Não só lamento por esse lixo de faculdade (depois que sofrem com preconceito, ficam reclamando), mas também pela obrigatoriedade e massificação do ensino superior no país (ainda mais num país pobre como o nosso).
    Ensino superior universitário não é pra ser dado a rodo, é uma área específica e restrita a aqueles que desejam ser docentes ou pesquisadores, o resto da população vai de curso técnico mesmo! Assim como acontece em outros países.
    90% das pessoas não foram feitas pra pensar, e nem querem pensar, só querem emprego e salário bom. O curso técnico dá tudo isso sem a necessidade de uma custosa universidade.

    E não, isso não é livre mercado, isso não é livre concorrência. Isso é uma questão de planejamento básico que define o futuro do país. Investimento a longo prazo que não é vislumbrado por empresários.
    Entregue esse tipo de coisa pra iniciativa privada e veja a educação ir pro ralo de vez, com cada vez mais gente ignorante e tapada pra conviver no dia-a-dia.
  21. ZeChZ_ Supra-sumo

    Número de Mensagens:
    1,252
    Pontos de Troféu:
    194
    Concordo com você.

    Essas universidades particulares cagaram tudo. É muito mais fácil um técnico de qualquer área consegui um emprego decente do que pessoas formadas por universidades particulares.

    Um exemplo é a enorme quantidade de cursos de humanas oferecidos por essas particulares. Os donos das particulares só querem arrancar dinheiro, não estão nem ai se os recém-formados conseguirão empregos. A área de humanas sempre foi uma área com poucos empregos, o problema é que criaram tantos cursos de publicidade, marketing, serviço social e etc que ninguém mais que se forma nesses cursos consegue trabalhar ganhando mais que 1500 reais. Enquanto que um "mero" técnico em mecânica que não possui o tão aclamado "ensino superior" consegue tirar 2000 reais por mês facilmente.

    Resumindo, sou a favor que se priorize o ensino técnico e deixem o ensino superior pra quem realmente quer pensar e pesquisar. Entretanto, acho que nesse caso iria surgir a mesma merda que já acontece, surgiria milhares de escolas técnicas inúteis e ninguém mais conseguiria emprego... Então, sei lá dessa porra!
    Pedro o Escamoso aprova isto.
  22. Pedro o Escamoso Ser evoluído

    Número de Mensagens:
    95
    Pontos de Troféu:
    28
    Isso é exatamente o que penso, principalmente o que você comentou sobre os cursos de humanas, que as faculdades lançam como produtos atraentes, tanto pela facilidade de cursar como pelos nomes bonitos do tipo " Gestão de RH, Gestão de blablabla, como se o cara que se formar nisso já saisse um gestor ou executivo só por ter feito o curso. Para a maioria das funções que muitas pessoas exercem não é necessária uma formação superior, um curso técnico seria o suficiente, e realmente acontece muito isso de um técnico ganhar muito mais que um profissional de curso superior exatamente porquê ele está virando um profissional escasso, já que qualquer um faz faculdade:
    http://exame.abril.com.br/carreira/noticias/os-10-profissionais-mais-demandados-no-brasil-e-no-mundo

    O Brasil é o segundo país que mais sofre com a escassez de profissionais qualificados. Aqui, 71% das empresas estão padecendo com este problema. No Japão, primeiro colocado na lista, a questão afeta 81% dos empregadores.
    E, surpresa, no Brasil, os engenheiros não são os mais difíceis de encontrar. Eles perdem para os profissionais super especializados de nível técnico e trabalhadores de serviços manuais, como eletricista, carpinteiro e encanador, por exemplo.
    Nas Américas, os engenheiros ainda são os principais moscas brancas (ou aquele tipo profissional que de tão especializado (e demandado) raramente está disponível no mercado). No mundo, eles estão na segunda posição entre os profissionais mais raros. Motivo? O ensino básico de muitos países ainda deixa a desejar nos currículos da área de exatas.
    Ao redor do globo, o que preocupa mesmo é encontrar os profissionais especializados em serviços manuais. “O foco do sistema educacional universitário em um sistema de quatro anos resultou no declínio os programas vocacionais e técnicos”, afirma o documento. Por conta disso, uma nova geração de profissionais focados em atividades manuais não está entrando no mercado de trabalho.



    Acho que isso resume tudo.
  23. DrAbreu Bam-bam-bam

    Número de Mensagens:
    1,501
    Pontos de Troféu:
    224
    Curso técnico abre muitas portas. Eu só tenho técnico em informática e possuo uma boa remuneração graças a isso.

    Existem faculdades sem o menor conceito no mercado, trabalhei em empresas que preferiam técnicos da ETEC ao invés de mecatrônicos da uninove, para fazer o mesmo trabalho e ganhar o mesmo salário. Instituições desse nível não estão preocupadas com qualidade de ensino, são apenas empresas que precisam faturar no final do mês, não nos veem como alunos e sim como clientes que pagam mensalidade.
  24. pavomba Bam-bam-bam

    Número de Mensagens:
    7,520
    Pontos de Troféu:
    299
    Tava rolando protesto de alunos por causa da demissão de professores.

    Essa anhanguera sempre vejo propaganda no metro ou na internet, as vezes até aparece aqui no forum.

    É isso que fode com a imagem do ensino partícular no país, no meu caso eu vou pra PUC, uma das mais reconhecidas, mas isso pode sujar a imagem até dessas universidades particulares renomeadas.
  25. Volk Bam-bam-bam

    Número de Mensagens:
    4,803
    Pontos de Troféu:
    284
    Na verdade existe essa obrigatoriedade sim. Não de que todos os professores tenham uma formação mais alta, mas existe uma percentagem mínima de professores por curso que devem ter mestrado, e outra percentagem mínima que deve ter doutorado.

    Só que as faculdades particulares sempre fazem isso mesmo. Elas demitem esses professores mestres e doutores e ficam quase que somente com especialistas, que são mais baratos. E mesmo para doutores os salários são baixos. Na faculdade onde trabalho, até o ano passado pelo menos, os salários para professores horistas eram de:

    Especialista: R$ 16,00 a hora/aula
    Mestre: R$ 21,00 a hora/aula
    Doutor: R$ 26,00 a hora/aula

    Mas não dá nada (pra faculdade). Sempre no ano que um curso específico vai receber a visita do MEC (que acontece no ano de formação da primeira turma do curso, e depois de tantos em tantos anos), a faculdade contrata novamente o número mínimo de professores com mestrado e doutorado (muitas vezes até mais do que o mínimo). Mas passou a visita do MEC, a faculdade conseguiu obter uma nota 3, 4 ou 5.... semestre seguinte adeus professores.
    Lost Brother e Pedro o Escamoso curtiram isto.
  26. Volk Bam-bam-bam

    Número de Mensagens:
    4,803
    Pontos de Troféu:
    284
    Que é isso cara, a universidade Anhanguera é muito boa! :viraolho

    Tanto que pelo que eu fiquei sabendo, a galera que se formou em Engenharia Civil recentemente, não consegue tirar o CREA. Isso porque a faculdade instituiu várias aulas como ensino a distância (toda sexta-feira os alunos não tinham aula em sala, era pela internet). Aí o CREA não aceita o diploma porque o aluno não teve o número mínimo de horas-aula para ser considerado engenheiro.
  27. Silent Len Bam-bam-bam

    Número de Mensagens:
    2,756
    Pontos de Troféu:
    204
    Aí quando falam que a Anhanguera é gráfica de diploma acham ruim.
  28. vachiloto Bam-bam-bam

    Número de Mensagens:
    12,034
    Pontos de Troféu:
    454
    mesmo motivo pelo qual contratam engenheiros como analistas
  29. pavomba Bam-bam-bam

    Número de Mensagens:
    7,520
    Pontos de Troféu:
    299
    Agora me lembrei deste detalhe, que ápos as compras da Anhanguera havia reclamações que haviam colocado parte das aulas em EAD.

    Se a Unip era motivo de piada, acho que a Anhanguera consegue ser pior, detalhe que em pouco tempo (acho que 1 ano), comprou um monte de universidades e acabou se tornando a maior rede do país.
  30. Lost Brother Bam-bam-bam

    Número de Mensagens:
    4,815
    Pontos de Troféu:
    294
    Infelizmente a educação de nivel superior virou uma mercadoria barata e sem qualidade com a popularização dessas "uniesquina". Isso fez aumentar o número de pessoas com um diploma em mãos sem a mínima necessidade, como é o caso de vários cursos da área de humanas sem nenhuma qualidade criados só pra encher o bolso dos donos da faculdade, valendo bem mais fazer um curso técnico.

    Sobre o curso técnico ele deveria ser incentivado a ser feito na escola desdo ensino médio para direcionar os alunos que não gostam muito de estudar ou sem vontade de ingressar numa faculdade, assim ajudaria a diminuir a falta de profissionais qualificados. Outra coisa boa também seria na mesma escola, pegar um grupo de alunos e ensiná-los a fazer serviços manuais, como carpinteiro e etc, para ter um ganha pão quando forem sair da escola.

    Porque eu disse tudo isso acima, a razão é clara, ensino superior deveria ser uma coisa para uma minoria com vontade realmente de estudar e se qualificar na área acadêmica ou em profissões mais exigentes intelectualmente(médico, engenheiro, professor), assim acabaria com a farra dessas universidades que colocam "clientes" num lugar onde deveria prevalecer o saber.
    Ulver, Kill Moves e Pedro o Escamoso aprovam isto.
  31. Pedro o Escamoso Ser evoluído

    Número de Mensagens:
    95
    Pontos de Troféu:
    28
    Já ouvi falar desse tipo de palhaçada.....que algumas universidades quando sabem que naquele ano tem visita do MEC, contrata os professores titulados, e depois da visita os manda para rua.

    Mais a pergunta é: Será que o MEC não tem a mínima noção que isso ocorre ?
    Na verdade acho que tem, mais quando tenta tomar alguma atitude, deve vir algum cartolão do governo e dar um "cala boca" no cara, até porque como alguém em um post acima disse, o que importa pro governo é o maior número de pessoas formadas, não importa se eles vão sair bem formados ou não.
  32. Pedro o Escamoso Ser evoluído

    Número de Mensagens:
    95
    Pontos de Troféu:
    28
    Exatamente, até porque se o cidadão quer fazer faculdade só para ganhar mais dinheiro, não é esse o único caminho.
    Existem muitos carpinteiros, encanadores e principalmente empreiteiros que ganham muito mais que porfissionais de nível superior, até porque na atualidade ninguém que fazer "serviços manuais" e isso é a lei da oferta e procura.

    Em algumas faculdades de gestão o cara acha que só porque fez 2 anos de curso já vai sair de lá como gerente, e a própria instituição faz propaganda disso.
    O que acontece muito na atualidade é que a maioria das pessoas só quer mandar sem ter embasamento nenhum, e se perguntar o que o cara sabe realmente fazer a resposta é simples um NADA.
    Existe muitas pessoas querendo ser caciques e poucos índios, e nessa hora os poucos índios com toda a razão tem que fazer a farra.
    Lost Brother aprova isto.
  33. Kill Moves Bam-bam-bam

    Número de Mensagens:
    5,653
    Pontos de Troféu:
    419
    Bem isso. Acho que deveria existir no máximo uma faculdade pública por estado, Universidade é lugar de gerar conhecimento, são os cursos técnicos que deveriam existir aos montes, eles que deveriam gerar os empregos.
    Lost Brother aprova isto.
  34. Lost Brother Bam-bam-bam

    Número de Mensagens:
    4,815
    Pontos de Troféu:
    294
    Concordo, a pessoa sai da faculdade só com o diploma e muitas vezes sem o conhecimento necessário para seguir carreira e ganhar dinheiro, assim com muitos nessa situação, ocorre um absurdo irônico propiciado pela lei da oferta e procura, um indivíduo com diploma ganhando menos que um carpinteiro(sem ofensas).


    Sobre os serviços manuais pode ser uma boa, porque ainda são muito úteis a nossa sociedade e também para a escola não deixar de lado aquele que não tem vontade ou perfil para ingressar numa faculdade ou seja oferece uma oportunidade para no futuro ela não escolher o mundo do crime, nessas condições o mercado voltaria ao normal.
  35. Lost Brother Bam-bam-bam

    Número de Mensagens:
    4,815
    Pontos de Troféu:
    294
    Mas em quanto for favorável a certo grupo de pessoas essa situação não vai mudar e a falta dessa mão de obra qualificada se torna cada vez mais um entrave no crescimento econômico brasileiro.

Compartilhe essa página